Sem palavras, com esperança

Sem palavras, com esperança

Tenho que dizer a vocês que determinadas colocações estão me deixando sem palavras. No ano passado, eu havia lido um texto de uma colega que já havia me deixado desconcertada. Agora esta mesma jornalista, volta a agredir pessoas com síndrome de Down. Li o texto e novamente fiquei atônita.
Confesso a vocês que simplesmente não consigo entender. Leio, releio e penso “O que teria levado ela a escrever isto?” No primeiro texto, ela expressava uma opinião, no segundo, a agressão chega a ser sem nexo.
Meu filho de dez anos percebeu que algo estava me incomodando. Perguntou o que era. Passei o celular para que ele mesmo pudesse ler os textos.
Minutos depois, ele fala: “Que horror!”. E em seguida faz uma proposta. “Mãe, você deveria ir conversar com ela. Talvez ela não saiba, não entenda, não conheça. Você poderia explicar.”
Nova pausa. E mais um comentário: “Mãe, mas tome cuidado, pessoas assim podem ficar exaltadas. Entretanto, com calma ela poderia entender.”.
Fica aqui então, o meu convite à jornalista Silvia Pilz do O Globo, para um café, uma conversa. Sem pretensão de mudar sua opinião instantaneamente, mas com muita esperança. Uma esperança quase infantil, minha e do meu filho!
Ciça Melo
cica.melo@paratodos.net.br