Ele não fala.

Ele não fala.

Hoje encontramos correndo pelo clube um loirinho lindo. Ele estava com as mãos sujas de terra e um sorriso lindo no rosto. Correu em nossa direção e o Lucas, meu filho mais velho que adora criança, logo se abaixou e perguntou: “Qual seu nome?”.
O pequeno apenas sorriu. Lucas repetiu a pergunta e o sorriso se ampliou ainda mais. A mãe vinha meio que correndo atrás empurrando o carrinho. E quando “ouviu” o silencio, logo falou: “ele não fala”.
Eu não a conheço e nem sei o que ela pensa, mas aquela frase e aquele tom me doeu. Faltou a palavra ‘ainda’. Será que o diagnóstico de Síndrome de Down teria sentenciado aquela mãe a não acreditar naquela criança? Por que tantas vezes não acreditamos em nossos filhos?
Não importa qual o diagnostico que tenhamos recebido um dia: precisamos acreditar em nossas crianças! Esta semana, visitando a Obra Social Dona Meca, encontrei varias crianças que um dia um medico disse que elas não iriam falar e nem andar. E, lá estavam elas, correndo e falando. Ainda bem que alguém não acreditou num medico e conseguiu ver além: enxergou o potencial daquela criança.  Ufa!

Ciça Melo
cica.melo@paratodos.net.br